Polo Salvador aplica logística reversa e faz o lixo virar fonte de renda - Polo Salvador

Polo Salvador aplica logística reversa e faz o lixo virar fonte de renda

polo-Salvador-aplica-logistica-reversa-e-faz-o-lixo-virar-fonte-de-renda

Não existe jogar fora. “Não tem planeta B”. Todo lixo gerado pela população, empresas e governos vai para algum lugar: lixões, aterros controlados e aterros sanitários, sendo este último o sistema mais adequado, segundo o Ministério do Meio Ambiente. De acordo com matéria publicada no site da CNN Brasil, cerca de 40% de todo o lixo produzido no Brasil acaba despejado em locais inadequados. São mais de 30 milhões de toneladas de resíduos sólidos que vão para quase 3 mil lixões ou aterros controlados espalhados pelo país.

Porém, desse tudo, muita coisa pode ser reaproveitada, reutilizada, como plástico, vidro, papel, alumínio e até tecido. Em Salvador, diversos negócios considerados “verdes” aplicam entre suas ações de sustentabilidade a logística reversa – é quando o produto, depois de utilizado pelo cliente, volta para a empresa – e transformam o lixo em fonte de renda. A Polo Salvador é uma delas e, inclusive é detentora do IPTU Verde, selo concedido pela Secretaria Municipal da Cidade Sustentável (Secis), através da Prefeitura de Salvador, às empresas com boas práticas socioambientais.

Na empresa, as camisas polo velhas valem desconto de 5% na compra de peças novas, desde que tenham sido compradas na loja que fica na própria fábrica. Todas as camisas recolhidas são transformadas em retalhos e doadas para a creche escola Fonte de Luz, de São Cristóvão, onde são produzidos fuxicos, colchas, almofadas e até estopas que são comercializados e garantem boa parte do sustento da instituição. Como no processo de produção também há sobras de tecido, as doações chegam à média de 800 kg por mês.

É uma ação simples e eficaz onde todos saem ganhando: a empresa, os clientes, as instituições beneficiadas e, principalmente, o meio ambiente. Infelizmente, no Brasil, de acordo com uma publicação do site do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), do ano de 2017, apenas 13% dos resíduos sólidos urbanos no país vão para reciclagem. Ainda há muito a avançar. Muito material que poderia ser reciclado, vai para o lixo por falta de separação adequada.

Obs. Lixo é tudo aquilo que for mal encaminhado.

Fale conosco pelo Whatsapp